sábado, 27 de novembro de 2010

Déjà Vu


Quando eu era mais novo eu tinha uns sonhos estranhos e quase nunca lembrava, às vezes eu sentia que algo ia acontecer e de repente, né que eu lembrava do sonho e me via vivendo na realidade aquele fragmento de sono e imaginação?!?! Que sensação bizarra, é essa a melhor palavra pra descrever tal situação.

Rescentemente, eu tive esse Dèjá vu. Na minha infância eu sempre sonhava com uma situação de esforço repetitivo, via e ouvi cenas de trabalho em série, uma rotina efetiva, mas isso me angustiava muito, muito mesmo... Um dia desses eu tive esse sonho novamente, um sonho tão angustiante, mas eu não conseguia ver onde e como e ainda o que era que estava acontecendo, é muito ruim sentir isso, caralho.

Hora vai, hora vem e eu percebo um "flash" com uma lembrança de um dia que eu acordei no meio da noite tentando lembrar o que eu tava sonhando e me dei conta que eu, novamente, estava a viver mais uma parte de um "sonho" que tive. Mermão, como isso é possivel? Eu fiquei, imediatamente, paralisado, atônito, teso, entre outros adjetivos sinônimos a estes que citei.

Bom, eu já tive vários casos dessas situações, mas passava despercebido, depois disso, eu passei a me questionar sobre isso. Até que ponto isso é real? Por que eu sonho essas coisas e vem acontecendo com frequência? Até onde o ser humano "preve" um acontecimento? Será que previ mesmo, ou era so coicidência e mal estar? Eu não consigo "me aquetar" com essas dúvidas que não consigo respostas coerentes...

Sensitivismo, se é que existe essa palavra, é realmente tão efetivo e forte na minha vida que chega a dar medo, caralho, será mesmo que eu tenho essa sensibilidade?

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Será que o relógio é um rolex?


Parecia um dia normal. Era uma terça comum até que fui visita-la. Saíram e nos deixaram a sós. Seu olhar tímido e cativante me provocou. Eu respondi seu olhar e acompanhei-a até o banheiro, quando me dei conta já estávamos sem roupas. Frente a frente. Caminhei lentamente em sua direção e então começei a lhe beijar segurando-a pela cintura. Nossa respiração ficava cada vez mais intensa.

Encostei-a na parede e a virei de costas beijando sua nuca, alisando e segurando seu cabelo de forma sensual. Poucos segundos depois, com um movimento brusco e preciso, virei seu corpo de frente para o meu e continuei a beijar, pelo pescoço, ainda a segurando pela nuca, pelo corpo inteiro...

Era visivelmente claro, ela estava loucamente excitada. Depois de beijos e mais beijos debaixo do chuveiro, ela me abraçou por trás e me fez carícias pelo corpo beijando meu pescoço, meu ombro, minha nuca até que eu me virei e encostei-a na parede novamente. Agora, distante do chuveiro, podíamos ouvir as gotas ao cair no chão. Então, segurei sua perna esquerda e a suspendi. Finalmente, estávamos um no outro. Com uma lenta penetração, que começou suave e tornou-se "agressiva", assim como os beijos e as carícias. Respiração ofegante, gemidos e olhares penetrantes.

Apesar do chão molhado, e do chuveiro ligado, seu corpo foi ficando cada vez mais quente eu sentia que ela já estava a se render e então entregou-se de corpo e alma. Prendeu-me com suas pernas quando eu a levantei ainda mais. Abraçou-me no pescoço e enquanto a penetração ficava mais forte, ela me arranhava com toda satisfação e com o desejo de provocar a mesma dor prazerosa que eu lhe causava.

Enfim estávamos no chão. Eu, também, me rendi a ela como uma presa se rende ao predador após tanto lutar. Ela estava em cima de mim agora e com a respiração menos ofegante, porém, não menos excitada. Eu estava concentrado em seu olhar e, enquanto olhava para ela, alisava seus seios e mordia seus lábios. Eu estava, realmente, excitado, estava ofegante e meu desejo por ela era visivelmente claro, eu não conseguia conter a satisfação em meus olhares e ações. Suas unhas encravadas em meu peito me faziam sentir que o desejo dela era de que aquele momento nunca acabasse.

Finalmente, sua respiração ficou falha e em seguida, a minha respiração também. Enfim chegamos ao orgasmo numa sincronia equiparada a uma orquestra sinfonica e por fim pudemos usufruir de tanta água... nos banhamos. Logo em seguida, eu me vesti e sai do banheiro. Ela preferiu ficar um pouco mais debaixo da água corrente, sentindo em seu corpo os efeitos daquele momento maravilhoso.



Texto levemente editado por mim, não sei nem o que comentar sobre o texto, na verdade é um rascunho e existe uma outra versão com duas visões que eu postarei em breve, o original na visão HER e o original na visão HIM.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Se vai dá certo?!?!?!


Eu viajo muito nas amplitudes de minhas entranhas e como me é de costume, o impossivel sempre foi possível, eu estou muiiiiiiiito feliz, obrigado, claro que existem coisas que me fazem refletir, eu não sou de ferro :D mas é isso, me deparei com uma situação inusitasa hoje, situação na qual eu morreria de medo de querer passar, mas, como, eu, curioso que sou, resolvi encarar e não deu outra.

O ser humano éum bixo muito estranho mesmo, chega a dá medo, mas eu sou FDP e adoro mesmo assim, hehehehehe, :D bom, eu precisava de qualquer jeito participar de certos acontecimentos que me faltavam e me faziam medir até que ponto eu sou quem penso ser, eu estava certo mais uma vez, eu sou a copia exata do que imaginava ser, eu reajo exatamente como quero e onde quero, quanto aos meus pitis? ahhhh esses pitis, é tudo mimo, coisa de criança mimadinha que tem tudo na mão a hora que quer. eu gosto mesmo é de me sentir assim, é meu, não perco, e então, por que?? Deve ser má criação mesmo, só pode :D

Meu Deus, cada dia que passa eu consigo dá mais valor a algo que eu já sabia que era valioso, mas, finjia ou fazia um docinho pra negar o real valor e eu sei, filho da puta que sou, que é reciproco esse "sentimento", essa merda corre nas veias, é algo inevitável, algo que só quem vive é capaz de perceber e eu vou deixar assim, submerso em minhas entranhas ;)

Hei de Está Lá :D

Hei De Estar Lá Ode Ao Canalha
Que vai dar certo
A se vai dar
Quando o fim chegar
Hei de estar lá

Se vai dar certo
Não sei dizer
Mas para que se preocupar
Se o importante é viver

O que eu quero não é muito
O que peço exige pouco
Mas o que mais me intriga
É que o pouco se torna muito

Quando penso em entender
Este mundo a meu redor
Que de tanto que é complexo
Me impede de viver

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Requiem ou Dopamina


Uma sensação sem igual com uma coisa tão comum, eu acho que todas as pessoas do mundo deveriam passar por essa experiência. Eu, hoje, embarquei num voo ao entardecer e vi o sol se por na mesma altura que eu :D sensação sem igual, apertei o botao de chamar a aeromoça e pedi uma cerveja, Xingu pra ser mais preciso... cerveja preta extra forte, sabor sem igual..., mas bem, enquanto o comissário mandava todos os tripulantes desligarem seus pagers, laptops, celulares e ou qualquer equipamento eletrônico eu viajava com meu celular ao som de john frusciante e ignorava a ordem do comandante, o som era tão forte que eu consegui sentir a palheta tocar as cordas de tão intenso e ao mesmo tempo eu sentado na janela do avião vendo o pôr do sol e o subindo cada vez mais, entre 1h de viagem e 12 musicas eu vi minha vida passar pelar minha cabeça, momentos tristes e felizes, foi um requiem propriamente dito, ou melhor uma nostalgia que me levou ao estado de nirvana que se transformou no tal requim... volto a dizer, todas as pessoas deveriam viver isso.
Pensei nesses mes inteiro, no mes anterior e em toda minha vida, o que eu aprendi nesse mes? é eu aprendi :D
Percebi que estive em lugares totalmente habitados mas ao mesmo tempo eu estava ali, sozinho, isolado, mas por que? por que eu preferi assim... é assim que sou, é assim que eu quero, na minha mente vinham todas as cenas e frases de filmes, de amores, de dores, de felicidade, cada sorriso e gesto que vi e vivi foi muito intenso e tudo isso num simples por do sol num mero airplane, é coisas simples são realmente significantes.
Qual o real motivo de eu ter me desprendido de meu lar? Eu posso dá mil explicaçoes e motivos, mas, nenhum deles será o verdadeiro, eu sei o por que, mas não vou dizer, não preciso, não quero, eu estou muito feliz, não por que conquistei nenhum bem material, eu realmente não ganhei nada, só gastei, mas o que eu vivi só eu posso descrever, o que vi, senti, presenciei, algumas coisas ficaram na minha mente pra sempre, não há quem tire isso de mim...
Ao decolar eu pensei: "- Se o avião cair?" Na mesma hora sorri satisfeito, se ele caisse eu estaria realizado, já realizei tudo que eu queria, conquistei meus objetivos presenciei tudo que eu precisei, tudo que eu quiz, eu sou grato por ser eu mesmo e ter um mundo totalmente distorcido e peculiar, eu sou muito grato mesmo por estar em mim, por ser meu e só meu, poucas pessoas conseguiram estar em mim e viver dessa utopia que mais parece realidade de tão insistente que sou em querer meu mundo cada vez mais real, eu sou meu mundo e permito-me muito pouco, mas permito necessariamente a cada um.
Só eu sei viver do meu jeito, sofrendo ou não, esse émeu mundo e tudo isso em 1h de voo, em 1 mes de viagem, em 1 ano de planos, em 25 anos de nascido, em uma vida vivida até hoje...

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Crua



E, hoje, eu, declaro-me impossibilitado de querer amar, declaro-me fechado.

Hoje é o dia em que comprei um cofre d'aqueles que é difícil de quebrar o segredo e botei meu coração lá dentro.

...

terça-feira, 7 de setembro de 2010

PARA, NOIA, PARAAAAAAAAA

Âs vezes me pego pensando quantas vezes irei "perder" algo que aprecio muito por "vacilo" ou por "acaso do destino" mesmo.
Andei analisando minha vida e vendo tudo que já vivi, coisas que acho que já me fizeram coisas que eu fiz e até que ponto eu tenho razão de acreditar que tudo que já aconteceu comigo é verdade.

Eu estou ficando doido? Me faço essa pergunta diversas vezes a muito tempo... Conversando com um amigo meu e relatando parte de uma história que vivi ele me disse que nem sempre tudo que eu penso é aquilo que é, mas ele também disse: Mas, você tem todo direito de questionar até certo ponto, desde que não invada a privacidade alheia. Bom, a partir disso, comecei a reformular meu pensamento sobre o ocorrido e vi uma série de fatores que eu errei, coisas que eu poderia ter "deixado pra lá" e ainda nem ter me estressado, mas bem, comecei a perceber também que existe uma constante de atitudes erradas em minha vida e que essas atitudes tem melhorado em alguns aspectos, significantemente, e tem piorado em outras coisas, mas eu também percebi que eu tenho estado mais aberto pra outras situações e me permitido, com isso, viver outras vidas, tenho sentido mais fervorosamente, tenho tido planos mais ambiciosos com relação a essas coisas, mas contrapondo isso tenho me dedicado menos a outras coisas que pra mim poderia ser mais viável...

Bom, nesse tempo eu descobri várias coisas que me decepicionaram piamente, mas, eu poderia nem ter ido atraz, poderia ter "deixado rolar", nesse tempo eu ouvi comentários do tipo: "Velho, relaxe, você não precisa ficar 100% focado nisso" ou também: "Velho, você perde muito tempo questionando coisas que nem valem a pena, isso cansa, desgasta, desmotiva, você tem a chance de estar bem, de ficar bem..."

É, realmente, perdi muito tempo com tais questionamentos, eu poderia ter posto um fim antes de "tudo" ter acontecido, já que eu estava vendo que não tava lidando tranquilamente com a situação, agora já foi, resta saber o que fazer daqui pra frente...
Existem duas posturas que eu posso tomar, eu posso começar a tomar vergonha na cara e encarar de frente todos meus problemas, acreditar e viver tudo que me for permitido sem mais questionamentos desnecessários e quando eu sentir que eu realmente estou "perdendo minha paz" arrumar minhas malas e seguir meu caminho ou posso, simplismente, forjar um bem estar e continuar assim, evitar situações que "sei" que não posso lidar e "viver bem" com isso. Acho que, ao menos, já sei o que não quero :D, acho não, eu tenho certeza.



Estou postanto essa música por que me identifiquei com trechos isolados dela, não estou direcionando a ninguém, é ,exclusivamente, um momento pessoal e nostalgico...

Não Sei Viver Sem Ter Você
CPM 22
Composição: Rodrigo Koala

Não há mais desculpas
Você vai ter que me entender
Quando olhar pra trás
Procurando e não me ver,
Chegou a hora de recomeçar.
Ter cada coisa em seu lugar,
Tentar viver sem recordar jamais;
E se a saudade me deixar falhar,
Deixar o tempo tentar te apagar

Te ligar de madrugada sem saber o que dizer
Esperando ouvir sua voz e você nem me atender
Nem ao menos pra dizer:

Que não vai voltar,
Não vai tentar me entender,
Que eu não fui nada pra você,
Que eu deveria te deixar em paz
Eu já não sei mais,
Não sei viver sem ter você,
Hoje eu queria te esquecer,
Mas quanto mais eu tento, mais eu lembro
Não sei viver sem ter você

Não sei viver sem ter você

É difícil de aceitar,
Recomeçar do zero,
Levantar e caminhar
Perceber que quem se ama,
Já não se importa com você,
E acordar sozinho ouvindo o som da sua TV
Chegou a hora de recomeçar

Acreditar, que pode ser, melhor assim, tentar crescer,
Fingir feliz te deixar para depois,
A cada dia que eu morrer
Espero que você morra após!

Se eu ligar de madrugada sem saber o que dizer,
Esperando ouvir sua voz e você nem me atender
Nem ao menos pra dizer...

Tu...tu...

Que não vai voltar,
Não vai tentar me entender,
Que eu não fui nada pra você,
Que eu deveria te deixar em paz
Eu já não sei mais,
Não sei viver sem ter você,
Hoje eu queria te esquecer,
Mas quanto mais eu tento, mais eu lembro
Não sei viver sem ter você
Não sei viver sem ter você

Preciso reaprender... a viver...
Pra esquecer...
Pra te esquecer...
Pra te esquecer!

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Estreito


Por acaso estava eu vendo uns videos de Rodolfo Abrantes mais conhecido como Rodolfo dos Raimundos, Caralho como eu fico de cara com a "história" dele.
Baseado no que eu assisti e nas minhas "crenças" eu comecei a vomitar sobre esse assunto. Que assunto? Pois bem, quando você está bem varios amigos aparecem e te convidam para sair, tomar uma, fumar um e por ai vai, você se sente acolhido e talz. As pessoas te oferecem a melhor droga, te convidam para os melhores lugares e é obvio que você se sente bem, aceita vai e nem reflete, ou até reflete mas logo logo para de pensar no assunto, por que, aparentemente você está feliz e tem amigos, mas que assunto chato de novo felicidade, meu Deus...
Os videos que citei de Rodolfo são os testemunhos dele logo quando ele se converteu para o cristianismo, protestantismo da vertente da primeira igreja batista. pois bem, no testemunho ele comenta sobre a vida "abundante" que ele vivia cercado por "amigos legais" e de todas as drogas possíveis, ele era "livre" como ele mesmo comenta e o que eu tenho a ver com isso? Então que não somente eu, mas todos tem a ver com isso, será que ninguém para pra pensar sobre seus amigos? será que ninguém para pra pensar em Deus? Independente de religião, o simples sentimento de amizade, amor e compaixão, tudo isso já basta pra "ser Deus".
Agora veja só quando você é um cara legal e usa de tudo e anda em todos os grupos e ai você começa a ficar doente e começa a perceber que não é mais tão legal assim e que a "abundância" de amigos e de legal começa a se tornar abundância de agonia, tristeza e solidão e ai você começa a perceber que não é mais tão legal assim quanto você imaginava, as pessoas não te chamam mais para os melhores bares, melhores baladas, esquecem que você parecia legal e você onde fica? como fica? e as drogas? amigos? no way...
Você melhora, sai do poço e as pessoas voltam a aparecer, você começa a notar que está sendo aceito novamente, ai você toma uma decisão, decide parar de "ser legal", começa a se questionar sobre as drogas, os bares, sobre a existência do ser e vai chegando a conclusões pesadas, dái com Rodolfo, ele optou pelo caminho "estreito" onde a porta só passa um por vez, não é o caminho mais curto, muito pelo contrario, é um caminho longo, cheio de armadilhas e pequenos contratempos que somados acaba sendo pra maioria, o pior caminho, o do esforço, nem todos estão adeptos a esse caminho, imagine, você um rockstar aceito em todas as emissores de tv, todo mundo comprando seu cd, dvd, usando suas musicas como hino, você tem uma imagem impecável, mas não está feliz e decide abrir mão de tudo por um só, pra muitos um só ser que pode nem existir, pra muitos outros, um só que nem existe, será que esse cara é assim tão fraco? abrir mão da vida boas pra andar num corredor :D
Eu mesmo não conseguiria, não hoje, mas ao menos eu já uso do questionamento para saber por onde ando, por que ando e com quem ando.
Este texto não é pra defneder religião de seu ninguém, tenho minhas idéias e crenças, independente dele. Enfim, estou usando isso só pra lembrar a importância que tem tomar decisões, sejam elas "radicais" ou não, mas sendo de coração, são válidas :D
E particulamente, raimundos faz uma falta danada, as letras "imundas" eram muito legais, mas entendo a decisão dele, até gosto da outra banda dele, Rodox que já começava a mostrar as atitudes estreitas dele :D

P.S: quando digitei esse texto eu nao sabia que ele estava cultuando "itinerantemente" junto com sua banda na igreja evangelica Bola de Neve Church.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Certo Dia Incerto...


Tentando organizar as idéias mas sem conseguir...
Andei pensando sobre uns assuntos estranhos, uns personagens estranhos de uma vida estranha com sentimentos estranhos e de atitudes não muito diferente.
Certo dia Certa Pessoa sentia certa vontade de se superar, ela colocou pra si certos objetivos e certas metas, eis que começaram a surgir certos obstaculos. Essa Certa Pessoa dizia que podia lidar com certas coisas, no ententando, certas coisas lhe consumiam, ele, então, começou a finjir ignorar certos obstáculos. Problema, parcialmente resolvido.
O tempo foi passando e Certa Pessoa não se deu conta de que ignorar certos problemas so faria com que os novos problemas se juntassem com os novos problemas, mas por que então Certa Pessoa não tentou resolver esses problemas passados? Eis a solução, tão simples, tão prático, então certos problemas voltaram à tona e Certa Pessoa tentou começar a resolver, mas ai, certas coisas não eram tão simples e fáceis de resolver, até por que a raíz de certos problemas vinha de muito tempo, mesmo assim, Certa Pessoa tentou e tentou e tentou resolver, alguns problemas a solução tinha sido encontrada, mas a teoria de certas coisas não condizem na prática, voltou então ao início de tudo, a bola de neve estava ali na sua frente, então o que fazer com ela? Enfrenta-la? Ou se jogar na frente? Perguntas difícies, quissa solução...
Confinado em pensamentos tortos que so lhe faziam querer pensar mais e mais sobre, o se jogar foi descartado, mas, o enfrentar também não estava sendo alcançado, então o que restou foi uma terceira alternativa, talvez até já tenha sido adotada outras vezes, desviar, esquivar e outros adjetivos com mesmo sinômimo.
Certa Pessoa, geralmente, perde o controle quando se depara com certas situações, algumas vezes certas atitudes foram feitas sem um certo controle, e pelo visto, Certa Pessoa nem sentiu remorso de tal coisa, pelo contrario, certa vez até afirmou que certas coisas foram propícias, mesmo Certa Pessoa sabendo que certa coisa não era legal... Certas pessoas não entenderiam nunca Certa Pessoa que vive a vida inteira tentando entender e não necessariamente conseguindo administrar certos problemas, é mais coerente e fácil classificar certas atitudes numa escala qualquer entre o certo e errado, ou melhor numa escala ascendente que se inicializa no erradinho e tem como topo erradíssimo, Certa Pessoa não acha certo certas atitudes, mas Certa Pessoa é um ser humano e pelo que parece, tem certos problemas dificílimos para serem resolvidos tão facilmente, não que todas as pessoas não tenham certos problemas, claro, todos tem certos problemas, mas, acontece que nem todas as pessoas tem dificuldade como Certa Pessoa tem de resolve-los.
Certa Pessoa sabe, mas talvez ainda falte um empurrão pra certa pessoa acordar.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

brega

hoje eu acordei numa vontade da porra de escutar brega e de ir a algum bar tomar umas com uma galera massa, e assim o farei, parece que estou twitando no blog, mas na verdade é que estou tentando descrever minha "empolgação" com um clima de "amor não correspondido" que no final das contas é uma grande mentira, por que eu estou muito bem correspondido comigo mesmo, estou em plena paz de espírito, como diriam os modernos, estou de boas, mas eu sou "OLDSCHOOL" e usarei termos que cabem a mim também :D hoje eu estou massa :D hehehe e quero aproveitar cada segundo com o que me convém! É isso, vou terminar um post como letra que descreve e antitetiza essa fase :D

Aqui há paz
Aqui há paz e alegria
Antes que voce perceba
Que não deu, não deu, não deu
Esse mundo não é meu
Vou voltar a procurar
Vou voltar a procurar

Aqui é festa amor
E há tristeza em minha vida
Aqui é festa amor
E há tristeza em minha vida

Aqui há paz
Aqui há paz e alegria
Antes que voce perceba
Que não deu, não deu, não deu
Esse mundo não é meu
Vou voltar a procurar
Onde possa te encontrar

Aqui é festa amor
E há tristeza em minha vida
Aqui é festa amor
E há tristeza em minha vida

Não há mistério algum
Tu pode me esquecer
Pra ver
Tu pode até fingir que não me viu

Aqui é festa amor
E há tristeza em minha vida
Aqui é festa amor
E há tristeza em minha vida
Aqui é festa amor
E há tristeza em minha vida

Jurei pro amor um dia te encontrar

terça-feira, 11 de maio de 2010

Semeando*


- Oi, tudo bem?
- Oi, Quem é você? A gente se conhece?
- Aham, não lembra de alguns anos atrás quando eu te observava na estação do metro?
- Não, sinceramente, não lembro de você...
- Sério?!?! Eu te olhava sempre, te observava, às vezes você retribuia o olhar...
- Hum, desculpe, e eu até que tenho boa memória.
- Tem problema não, na verdade nos conhecemos de um show que teve lá na praça, você estava com alguns amigos, uns em comum outros não, eu estava com Valéria e Carlos na frente do show, você estava com Alisson, Batata e Flávia, eu já conhecia Batata mas te via sempre com Alisson no metro...
- É, eu lembro desse show, e lembro desse encontro, mas não lembro de você, me desculpe.
- Não tem problema, posso te adicionar?
- Eu só adiciono gente que conheço, me adicione no ICQ, se gostar de você eu te aceito, pode ser?
- Tá certo...

ICQ

- Oi.
- E ae, beleza?
- Aham e você?
- Massa também... me conte essa história direito, como você lembrou de mim e como me achou?
- Então, amigos em comum e talz, tava aqui navegando e vi sua foto, lembrei de você, lembrei do dia do show e do metro resolvi tentar ver se você lembrava de mim.
- Velho, eu estou meio que desconfiado com isso, não me leve a mal, mas é muito estranho isso tudo, não estou acostumado a ser abordado dessa forma, e também nunca imaginei que eu era observado por alguém, ainda mais por uma menina assim...
- Uma menina assim? como assim?
- Eu não uma pessoa tão interessante a ponto de uma menina, aparentemente, interessante me observar...
- Eu acho você uma pessoa legal, e sempre reparei em você, a muito tempo mesmo que te vejo, lembro de você e seus amigos lá no metro conversando nos bancos, tocando violão, olhava e parava perto sempre, mas você nunca conversou comigo e eu até tentei puxar assunto com um de seus amigos para ver se você me notava, mas era inútil. Você sempre olhava para todos os lados ou para baixo, nunca fitava ou cruzava o olhar comigo...
- Velho, na moral você está de onda com minha cara?
- Rapaz, não, oxente, que doideira, eu só estou dizendo a verdade, sempre te olhei, sempre quis conversar com você mas você nunca me deu atenção, eu era uma menina tosca mesmo e talz vai ver era isso, usava aparelho, tinha os cabelos assanhados, calças folgadas e andava sempre com uma mochila "Cantão" jeans.
- Eu ainda estou surpreso, você tinha as características que eu sempre imaginei da menina ideal. Se você fosse metade disso que está descrevendo eu estaria naquele momento apaixonado por você.
- kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, eu juro, eu era assim... hoje ainda tenho aquelas roupas, mas meu pai não gosta que eu use, ele prefere que eu use roupas de menina, mas às vezes uso, ainda gosto delas :D
- Que massa, e você faz o que da vida?
- Estudo e faço natação, mas estou entrando de férias daqui a um mês só estou indo pra escola fazer provas e pegar resultados, e você?
- Estudo e faço estagio, quantos anos você tem, estuda onde? Que série?
- Eu estudo na Colégio Imaginação, no segundo colegial e tenho 16 anos e você?
- Eu tenho 20.
- E o resto?
- Ahhhh, então, sou formado e faço curso profisionalizante na Escola Para a Vida e estagio na fundação do meio ambiente...
- massa, que curso você faz?
- então, curso de saneamento ambiental...
- Que massa, meu pai é da mesma área ele trabalha numa empresa que presta serviços, eu gosto da profissão estou pensando em fazer vestibular pra esse curso, mas o meu seria universitário.
- Mentira velho, você está falando essas coisas pra eu gostar de você é? huahauhauah
- kkkkkkkkkkkkkkkkkkk não velho é verdade kkkkkkkkkkkkkkkkkk
- kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Massa, estou achando você legal, acho que vou aceitar o convite e te adicionar lá...
- kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
- Pronto, já sou seu amigo lá também, por sinal, legal seu "about me" gosto de coisa parecida...
- Ahhh, valeu ;)
- Ei, onde você mora?
- Eu moro no conjunto das flores, mas estou na casa de um parente meu, geralmente quando tem aula eu fico por aqui, até por que lá não tem computador, mas amanhã estou indo para lá ficar com meus pais...
- Massa, então tão cedo não vamos conversar, né?
- Aham, mas eu sempre venho aqui, então não será tanto tempo assim :D
- Beleza, vou ter que sair, prazer e ainda estou meio confuso com essa história :D vou da uma volta pra assimilar as coisas :* até um dia ai...
- Já?!? :/ está bem então te um dia, que massa que te encontrei... :*** Cheiros
...

Peguei o carro e fui a praia dá uma volta, mas não conseguia parar de pensar no que havia acontecido, fiquei feliz em saber que alguém tão legal notara a minha presença fosca em meio a todas aquelas pessoas, aparentemente, mais interessantes do que eu...
Fui dormi,ainda confuso. Na manhã seguinte ela voltou para a internet, estava usando um computador de uma dessas lanhouses da vida, conversamos um pouco, eu estava no estágio e ela na escola e ela falou que iria viajar quando ficasse de férias, passaria as férias com a familia que mora fora, fiquei meio triste, mas porque? uma "desconhecida" até então me fez sentir uma possível "saudade"... Alguns dias se passaram e marcamos de nos "conhecer" pessoalmente. O dia "D" chegou, marcamos num shopping próximo do meu estágio e do colégio dela... Cheguei, ela já estava sentada no banco do shopping, sorriu pra mim, foi então que senti um frio na barriga, eu retribui o gesto com outro sorriso meio acanhado, me sentei ao teu lado e fiquei de cabeça baixa, eu sentia meu coração palpitar, minhas mãos suavam frio, mesmo estando no ar-condicionado, que PORRA é essa que estou sentindo, por que não consigo olhar para ela? que ridículo, mal consigo falar, nos despedimos com um beijo, meio desajeitado, no canto da boca ( como diz a galera, na trave ) fui para casa, conversei com um amigo sobre o acontecido, ele riu PRA CARALHO e disse: - Massa velho que engraçado, entre outras palavras que não condizem ao sentido real do texto... conversamos por e-mail por mais uns dias e ela viajou, de lá ela mandou 2 e-mail dizendo que estava se divertindo bastante e no outro que estava sentindo falta de falar comigo...

continua...

domingo, 9 de maio de 2010

Antevisão


Pequenas atitudes me surpreendem bastante, me comovem também... Bom eu penso muito em tudo, penso muito no futuro e no passado.
Sempre programo minhas falas, atitudes, programo até meus pensamentos, mas como se programa pensamentos se eles vem antes de qualquer coisa e se eu já estou programando não quer dizer que eu já pensei? como programar o que já foi pensado e programado, confuso, mas real. Mas o que vim vomitar aqui não foi isso, foi sobre atitudes e sobre quem sou e como sou, este espaço será tão egoísta quando eu puder e tão confuso quanto eu quiser, ou puder também e ainda posso dizer que contraditório também e porque não? pois é...
Estava EU na pizzaria jantando com a família, vendo televisão entra uma garfada e outra, pensamento distante, muito distante, estava num ambiente "feliz", mas eu não sou feliz como as pessoas querem ser, mas eu estou feliz em ser "triste", ser assim me faz uma pessoa feliz, minha felicidade é baseada na tristeza mesmo, tem dias que eu quero sentir isso e tem dias que eu simplesmente vivo, não estou dizendo que sou coitado e que só vivo chorando, de onde tiraram isso de que tristeza é sinônimo de choro? eu sorrio pra caralho, mas sou triste, eu me divirto pra caralho, mas sou triste e é bom ser triste, eu gosto de ser assim, me divirto pra porra sendo assim, rancor, angústia, inveja, não são sentimentos tão ruins assim, eu sinto tudo isso, pois para ser humano tem que sentir isso, eu também sinto alivio, paz, consigo perdoar e isso não me faz feliz ou santo, me faz ser humano. Mas voltando ao ambiente "feliz"... enfim terminamos de comer pagamos a conta, fui pro carro e me sentei atrás ao lado de minha irmã e do namorado dela, no meio do caminho ela puxou umas 3 sacolas da "opção" nunca vi essa loja, pronto, imaginei, comprou o presente pra minha mão do dia das mães... ela abria as sacolas e olhava na etiqueta e descartava, logo em seguida pegou a segunda leu e passou pro namorado, ela leu a terceira e me deu e disse: tome, seu presente de aniversário! O tempo parou, eu quis chorar, lembrei de todas as brigas que tive com ela, lembrei de todas as "ofensas" e de todas as birras, rancores, "vinganças" e promessas de "dá uma surra" eu quis agradecer, fui abrindo e vi que o "presente" estava envolvido por um papel de seda, nisso eu acho que meus olhos estavam brilhando, eu brinquei: - caralho você me deu um quilo de queijo de presente! e sorri, todos sorriram... Abri o presente e enfim vi o que era, uma camisa cinza com uma foto de um carro antigo, tamanho P mas parecia M, o presente tinha a minha cara, foi ai que percebi, ela sabe o que gosto tanto quanto sei do que ela gosta, ela me deu um presente que parece comigo, fiquei feliz, mesmo sendo um cara triste... Juro, quis chorar, agradecer mas fiquei estático e tudo isso se passou no tempo parado, no tempo que voltei ao tempo, é detalhe, antes de entrar no carro eu pensei: Pessoas legais tem sempre alguém por perto, pessoas legais estão sempre bem acompanhadas, eu não sou um cara legal, sou um cara triste, mas mesmo assim, repito, sou feliz.
Ser feliz não é só ter amigos por ter, ser namorado por querer, ser aceito por convir, ser feliz é ser você e ser aceito mesmo assim.